terça-feira, 1 de abril de 2014

O moralismo cristão e a campanha "eu não mereço ser estuprada"

Nos últimos dias, vi muita gente comentando a tal pesquisa do IPEA acerca das causas de estupros de mulheres. Dentre muitas opiniões, me chamou a atenção a opinião de muitos evangélicos que se incomodaram não com o resultado da pesquisa, mas com a maneira do protesto das mulheres. Isso porque para protestar contra o resultado da pesquisa, várias mulheres começaram a postar fotos seminuas na internet com a frase “eu não mereço ser estuprada”. Foram raríssimas as opiniões cristãs contra esse cenário machista que predomina em nossa sociedade. Ouvi muito foi o nosso velho moralismo que teima em permanecer (misericórdia de nós, meu Senhor!).

Mas aí alguém vai me falar: “Jony, você é a favor desse bando de piriguete que se aproveita da situação para se mostrar? Se ela nem mesmo se respeita porque vai querer que alguém lhe respeite?”

Eu sei que existem várias meninas que gostam de se insinuarem sim, gostam de provocar os desejos masculinos, mas entre sensualizar e ser abusada há uma grande diferença. Ora, quando ela sensualiza, além de mexer com os desejos masculinos, ela mexe com os seus também. Carnal, pecaminoso, mesmo que seja, há algum tipo de prazer nisso. No abuso não! O abuso sexual é um ato covarde, animalesco, aterrorizante. Não há prazer nenhum no abuso, pelo contrário, há muita dor. O abuso é um mal horrível.

O que me deixa triste é ler comentários de crentes concordando com a tal pesquisa indiretamente, desejando algo terrível para outro ser humano igual a ele.

Lembro-me de Jesus quando teve seus pés beijados por Maria Madelena, a prostituta (com certeza ela não estava vestida como uma irmã assembleiana). Enquanto até mesmo seus discípulos a julgavam, o Mestre saiu em defesa dela. Enquanto todos faziam dela uma pessoa indigna, Jesus devolveu-lhe a dignidade. E é isso que, nesse mundo machista, as mulheres mais precisam: dignidade. Em vez de julgarmos pela aparência, vamos lutar para que, independentemente do comportamento de algumas, todas as mulheres sejam valorizadas.

Ass. Jony Bigu – que mais uma vez escreve seus devaneios.

Um comentário:

Juninho Monteiro disse...

Concordo em partes. Sobre o respeito acho que todas merecem sim, independente de estarem se insinuando ou não. Nenhuma mulher de modo algum merece ser estuprada!
Mas sobre a forma de se vestir as mulheres que ao meu ver não querem ser estupradas se dão ao respeito. E com isso não vão se vestir parecendo uma prostitura. ;)